Dicas de Pirenópolis, Goiás

Em 08/06/2016 por Fabi Gama

Já fazia um tempo que tínhamos vontade de conhecer Pirenópolis (para os íntimos, simplesmente “Piri”). Aproveitamos uma super promo da gol e compramos passagens para Brasília. De lá, seguimos para a famosa Piri.

Piri foi uma grata surpresa! Seu centrinho histórico é um charme e super movimentado, repleto de lojinhas, bares e restaurantes.

A partir de Brasília também vale muito a pena conhecer a belíssima Chapada dos Veadeiros. Já estivemos lá três vezes e contei em detalhes todas as dicas nos quatro posts abaixo :

 

Como chegar

Pirenópolis fica praticamente no meio do caminho entre Brasília e Goiânia, no estado de Goiás.

Do Rio nós pegamos um voo de 1h30 até Brasília, onde alugamos um carro para seguir até Piri.

Saindo de Brasília há duas estradas. A melhor opção é  pegar a BR-060 que segue até Abadiânia. A estrada é toda duplicada, pedagiada (4,30 reais por trecho) e está em ótimas condições. Em Abadiânia basta seguir as placas em direção à Pirenópolis. São cerca de 140km de distância.

Saindo do aeroporto de Brasília foram 2h15 de viagem até Piri, isso porque pegamos um pouco de trânsito na saída da cidade.

Como circular

A melhor forma de chegar em Piri e de circular por lá é alugando um carro.

Sempre usamos e recomendamos o site da RentalCars para reservar o aluguel do carro. Na simulação o site apresenta todas as principais locadoras (Avis, Europcar, Sixt etc) e ainda outras cias locais, te mostrando os melhores preços. Acho muito prático!

As ruas da cidade de Pirenópolis são pavimentadas, mas o acesso à várias cachoeiras se dá por estradas de terra e em algumas delas precisamos atravessar riachos, por isso, nos foi recomendado alugar um carro mais alto (optamos pelo Renault Sandero). Outra dica é alugar um carro com motor 1.4/1.6, pois há várias ladeiras nas estradas que levam às cachoeiras  e um carro mais potente seria melhor.

Melhor época

A época seca vai de junho a setembro e a época das chuvas vai de outubro a maio.

Particularmente, eu prefiro viajar na época da seca. Já estivemos duas vezes na Chapada dos Veadeiros na época das chuvas e uma vez na época seca. Acredito que em Piri o tempo seja similar à Chapada.

Pode ser que algumas cachoeiras percam um pouco do volume durante a época seca, mas em compensação é mais seguro não pegar chuva nem risco de tromba d’ água.

Mas é possível visitar Piri o ano inteiro, até porque a vantagem é que lá as trilhas são curtas, ou seja, se começar a chover é fácil ir embora. Já na Chapada há trilhas muito longas. Nós pegamos uma tempestade no meio da trilha do Rei do Prata que foi traumatizante pra mim. Contei tudo nesse post.

Não deixe de verificar o calendário dos festivais de Pirenópolis. Há muitos festivais e a cidade costuma ficar lotada. Para ver a agenda de eventos em Piri clique aqui.

Outra dica também é evitar os feriados. Se durante um final de semana comum a cidade e as cachoeiras já estavam bem cheias, não gosto nem de imaginar como é feriadão por lá!

IMG_4811

Onde se hospedar

Uma pousada que eu sou louca para conhecer é a Villa do Comendador, que tem até bangalôs  com piscina privativa. No entanto, a pousada é bastante procurada e é preciso reservar com antecedência. Nós não conseguimos vaga nela nem na pousada Casarão Villa do Império dos mesmos donos. São as melhores opções da cidade e fazem parte da Associação Roteiros de Charme.

A pousada Villa dos Pireneus fica muito isolada, com acesso por estrada de terra. Só recomendo para quem estiver no clima de entrar e ficar na pousada. Nem pensar em ir jantar no centrinho de Piri à noite. No entanto, há várias cachoeiras próximas dessa pousada (Reserva Abade e Vargem Grande). Para reservar essa pousada clique booking/VilladosPireneus ou se preferir reserve em Hoteis.com.

Para acessar a lista com as pousadas de Piri e fazer a sua reserva clique aqui.

Em Brasília, como precisamos pernoitar de domingo para segunda, ficamos novamente no Base Concept Hotel, colado ao aeroporto e com shuttle gratuita 24h (sai a cada 20 minutos). O hotel é bem novinho e moderno. O serviço melhorou bastante desde a última vez em que estivemos lá. O check-in foi super rápido. Para fazer sua reserva sem custo adicional clique Booking.com/BaseConcept ou se preferir reserve em Hoteis.com.

 

Melhores cachoeiras

Dá para dividir o roteiro das principais cachoeiras em 2 dias:

  • 1 dia : Reserva Vargem Grande (Lázaro e  Santa Maria)/ Reserva Abade/ Parque Estadual dos Pireneus – todas ficam na mesma estrada.
  • 2 dia : Circuito Cachoeira dos Dragões/ Cachoeira do Rosário/ Cachoeira Paraíso – todas ficam na mesma estrada.

 

Informações sobre as cachoeiras :

Nenhuma cachoeira precisa de guia e  praticamente todas  ficam em propriedades privadas, ou seja, é preciso pagar entrada para ter acesso. Quase nenhuma aceita cartão de crédito, portanto, leve dinheiro em espécie. As trilhas de Piri são curtas e relativamente fáceis.

  • Reserva Abade –  fica a 17km do centro histórico de Piri sendo 14km de terra, na Estrada dos Pireneus. Chegando lá, há estrutura com banheiros, lojinha e restaurante. A entrada inteira custa 30,00 reais por pessoa (é preciso usar uma pulseirinha enquanto estiver dentro da propriedade) e tem que ser paga em espécie. Há duas trilhas – uma leve e fácil que leva direto à cachoeira do Abade (que é a principal e mais bonita) e a outra trilha completa que tem  2.400m de caminhada – foi a que fizemos. É circuito que passa por vários poços/cachoeiras/mirantes  e pela ponte pênsil. Também é bem fácil e sinalizada. O horário de funcionamento é das 9h às 16h.  Há um restaurante no local (buffet aos finais de semana – 35,00 reais por pessoa). Não aceita cartão de crédito. Site : www.cachoeiradoabade.com.br

DSC_4888

DSC_4889

DSC_4894

DSC_4854

DSC_4839

DSC_4818

DSC_4804

DSC_4799

DSC_4783

DSC_4739

DSC_4753

DSC_4745

  • Parque Estadual dos Pireneus – fica a  22km de Piri na Estrada de Pireneus. Saímos do Abade e seguimos alguns poucos quilômetros em estrada de terra até o parque. Lá visitamos apenas as cachoeiras dos Coqueiros e da Garganta que são gratuitas, mas o acesso não eh sinalizado. Saindo do Abade viramos à direita na estrada de terra principal e seguimos até a placa “Parque Estadual dos Pireneus” e aí viramos à esquerda. Foram cerca  de 3km até um portão de madeira que fica fechado. É só abrir e estacionar. Há uma escadaria que leva até as cachoeiras. Sinceramente, achei essa parada dispensável. Não repetiria. Há outras opções de trilhas dentro do parque, mas não fizemos.

DSC_4973

DSC_4977

DSC_4987

DSC_4983

  • Reserva Ecológica Vargem Grande (cachoeiras Santa Maria e Lazaro) – bem pertinho do Abade fica esse complexo com duas belas cachoeiras. O ingresso custa 25,00 reais por pessoa e aceita cartão de crédito. A trilha até a Santa Maria é curta (cerca de 400m do estacionamento), bem fácil e demarcada e a cachoeira é linda (três primeiras fotos abaixo)! Da até pra fazer de chinelo. Tem um belo poço verde e uma prainha de areia. Tinha bastante gente. De lá seguimos caminhando por cerca de 1500m até a cachoeira Lázaro. Essa trilha tem bastante escada, subida e descida, mas também e fácil. Depois voltamos cerca de 1500m até o estacionamento. Funciona todos os dias das 9h às 17h (última entrada às 16h).

DSC_5003

DSC_4992

DSC_4996

DSC_5021

DSC_5035

  • Cachoeira dos Dragões – saindo do centrinho de Piri basta pegar a Estrada de Goianesia. São cerca de 40 km de distância, sendo 25 km de asfalto e 15 km de estrada de terra (na Estrada de Goianesia, cerca de 25 km depois de sair de Piri você vai ver várias placas indicando o acesso à direita – a partir daí é chão de terra). No mesmo caminho ficam as cachoeiras do Rosário e Paraíso e, um pouco antes também, a cachoeira das Araras. Os acessos são separados e todas são pagas. Esse caminho de terra não está em muito boas condições, além de ter 2 riachos pelo caminho. Por isso é bom alugar um carro mais alto. Nós só fizemos as Cachoeiras dos Dragões.  Custa 40,00 reais por pessoa e funciona de quarta a domingo das 9h às 17h. Não precisa de guia. É um circuito de 4,3km de caminhada com  8 cachoeiras, sendo que as melhores são  1, 3, 6 e 7. Nesse lugar também funciona um mosteiro budista onde costumam acontecer retiros. Lá, por ora, a gente só consegue comprar água, não há venda de lanches, mas eles pretendem ter uma lanchonete com algumas coisinhas em breve. De acordo com o que me disseram por lá, a melhor época para visitar as cachoeiras dos Dragões é entre janeiro e fevereiro, quando elas estão com bastante volume de água. No início de junho já dava para notar um volume menor de água. Parece que a seca essa ano vai ser bem severa. Levamos 3h30 para percorrer as 8 cachoeiras, sendo que paramos para tomar banho em quatro delas.

DSC_5073

DSC_5093

DSC_5110

DSC_5115

DSC_5141

DSC_5170

DSC_5199

DSC_5096

  • Cachoeira Bonsucesso – localizada próxima ao centrinho de Piri (5km de distância), essa cachoeira tem um poção verde bonito (vi por fotos).

Há muitas outras cachoeiras na região, mas como só tínhamos 2 dias, essas foram as que visitamos.

Quem tiver mais tempo também pode ir até a cidade vizinha Corumba, onde ficam os Saltos  Corumba.

Mapa da cidade com as cachoeiras

01[1]

fonte : http://www.pedrasjfigueiredo.com.br/mapas-turisticos

Quanto tempo

Nós conseguimos fazer bastante coisa em apenas um final de semana. Saímos no Rio na sexta à tarde e retornamos segunda pela manhã.

Mas o ideal seria ficar em Piri de 3 a 4 dias. Evitem feriados prolongados!!!

Restaurantes

  • Maiale – esse é o melhor restaurante de Piri, fica na rua do Rosário, uma ruela repleta de bares e restaurantes. Recomendo fortemente reservar!!!  O horário máximo da reserva é às 20h. É um restaurante italiano com massas caseiras muito gostosas e ambiente super aconchegante. Lá para às 22h30 começou música ao vivo. A cantora, Carina Duarte, simplesmente arrasou no repertório! Só musicas estrangeiras que estão nas paradas de sucesso. A galera até se levantou para dançar.

IMG_4672

IMG_4674

  • Restaurante Árabe na rua do Rosário 26 – bem gostosinho, com mesas ao ar livre,  é um boa opção para comer algo mais rápido e belisquetes como mini quibes e mini esfirras, homus e Kafka.
  • Venda do Bento – esse restaurante é uma gracinha! Foi dica de um amigo. Fica fora do centrinho, no caminho de volta das cachoeiras dos dragões (a 4km do centro de Piri). Não aceita cartão de crédito e não é barato. Mas o ambiente é bem gostoso e charmoso.
  • Sorvete “italiano” – há várias gelaterias na cidade. Experimente a Vallentine que estava lotada. O sorvete é bom, mas está longe de ser italiano (rs!).

 

Centrinho histórico de Piri

O centrinho histórico é um charme! Muito bem cuidado, todo pintadinho e florido foi uma grata surpresa!

Há diversas opções de bares e restaurantes com mesinhas ao ar livre e música ao vivo aos finais de semana.

Também tem várias  lojinhas fofas de artesanato, onde vi muitos objetos iguais aos que encontramos em Tiradentes.

Como em toda cidade histórica, tem igrejinhas e museus, mas nós nem chegamos a visitar. A igreja Matriz é a de Nossa Senhora do Rosário, padroeira da cidade.

DSC_5202

DSC_5205

Dicas Gerais

1) Não há necessidade de guia para chegar nas cachoeiras ;

2) Muitos lugares não aceitam cartão de crédito, por isso, tenha sempre dinheiro em espécie;

3) Há um mercadinho na cidade. Não deixe de levar água e lanche para as trilhas. Principalmente na época da seca junto com  o calor intenso durante o dia é preciso se hidratar;

4) Também recomendo levar para as trilhas protetor solar, boné e repelente;

5) Não esqueça de recolher todo o seu lixo, a natureza agradece!

6) O sinal 3G/4G do celular pega bem na cidade, mas não pega nas cachoeiras;

7) Há posto de gasolina na cidade. Antes de sair para o seu passeio verifique se o tanque está suficientemente cheio;

8) Verifique também se o seu carro está com step direitinho, pois as estradas têm muitas pedrinhas e vimos carros com pneus furados. Um perrengue!

9) Não cheguei a procurar por caixa 24h, mas eu li em outros sites que ainda não há caixas 24h em Piri.

Posts relacionados :

 

Fabi Gama
Fabi Gama: Carioca, taurina, casada, 37 anos, advogada, louca por viagem, fotografia, chocolate e pela Grécia. Conhece o calendário de feriados de cor e salteado! Já carimbou seu passaporte em 50 países e pretende conhecer muitos outros! Acompanhe as aventuras pelo instagram e snapchat @loucosporviagem.
Gostou? Compartilhe!
  • Print Friendly, PDF & Email
  1. dom Giovani

    TUDO MARAVILHOSO, SUPER DICAS ME ENVIE UMA EMAIL PARA RECEBER VCS DA PROXIMA OPORTUNIDADE.
    diretor@villadocomendador.com.br
    geovani rosa ribeiro

    Responder
    • Vamos adorar! Estamos loucos para conhecer a pousada Villa do Comendador! Obrigada! Beijos

      Responder
  2. Geovani Rosa ribeiro
    Super matéria muito ver estas belezas

    Responder
  3. Camile

    Olá Fabi, tudo bem?

    Não te conheço mas já virei sua fã. Me dá uma dica. Qual seria seu roteiro perfeito de 3 dias em Piri?

    Bjo, te agradeço!

    Responder
    • Oi Camile, tudo bem? Que bom, rsrs! Nós passamos um final de semana em Piri, então, o roteiro seria basicamente esse do post. beijos

      Responder
  4. Oi, Fabi! Tudo bom?
    Tô pensando em passar um fim de semana lá, em junho. Soube que faz um friozinho n’ajoute, mas queria saber sobre o clima durante o dia. Você acha que rola uma piscina de manhã, nessa época?
    Beijos,
    Camilla

    Responder
    • Oi Camilla! Eu peguei calor durante o dia e sempre entro nas cachoeiras, mas eu acho isso muito pessoal. Eu por exemplo, como boa carioca, tenho otima resistencia a agua fria. rsrs E faz calor durante o dia sim, bjs

      Responder
      • Super obrigada, Fabi!! Também sou carioca, mas apesar da resistência a água fria, confesso que sou friorenta! rs Beijão!

        Responder
  5. LAIS

    Olá Fabi,

    Li seus posts sobre a chapada e sobre piri. Estou pensando em ir conhecer a região. Vou ter 4 dias inteiros, mas estou com uma duvida gigantesca: Pirenópolis ou Chapada dos Veadeiros?? Vou com o marido.

    Abraço,

    Lais

    Responder
    • Oi Lais! Eu, particularmente, acho a Chapada mais bonita! Mas as caminhadas são mais longas, então, depende do seu ritmo… em Piri as cachoeiras são de fácil acesso/trilhas curtas. bjs

      Responder
  6. ROBERTA

    Obriada pelas dicas! estou pra ir pra piri e irei aproveitá-las! abs

    Responder
  7. JORDANA

    Adorei as dicas! Apesar de sua indicação pra não ir em feriado, estou querendo ir no carnaval. Fugir um pouco da muvuca do RJ porém tenho um bebê de 1 ano. Acha que da para fazer as trilhas com ele?

    Responder
    • Oi jordana! As trilhas por la não são longas nem difíceis, mas fico com receio de te dizer pq eu não tenho crianças então não sei exatamente como eh para viajar para um lugar assim com bebe. beijos

      Responder
  8. Jessica

    Olá Fabi,

    Qual hotel você ficou hospedada? Recomenda?

    Obrigada!!

    Responder
Deixe seu comentário: